terça-feira, 15 de março de 2011

Ainda e sempre

nos 75.

Não sei se me resigne e aceite este como sendo o meu peso, sabendo que nunca serei completamente feliz. Porque acima de tudo significa que desisti.
Se continuo nesta luta rídicula do começa, acaba, tendo desculpas para tudo (já lá iremos....)
Se meta as mãos à obra e faça REALMENTE alguma coisa para mudar isto.

As minhas semanas têm sido de trabalho, trabalho e ainda mais trabalho. Entro cedo, saio tarde e ao fim de semana ainda tenho de voltar. No sábado vim para o gabinete às 10h30, saí às 22h30 (sim, directinho que assim é que é bom...), fui jantar e voltei às 23h50m e só saí eram 5h 20m da madrugada. No domingo ao meio dia já estava no computador e passado 3 horas, finalmente dei o dia por terminado, pois faltava uma decisão de um superior que só decidiu dar o ar da sua graça já passava da meia noite e eu fiz de conta que não vi o mail e na segunda feira lá despachei o trabalho para o ministério em questão. Se recebo mais por isso?!?! NADA DESTA VIDA!!!!
Ando cansada, com uma amigdalite que não me larga, uma tosse miserável e uma alimentação terrível.
O peso nem para cima (o que já não é mau!), nem para baixo.

Enfim.... Não estou em condições de prometer nada, a não ser que recuso-me a deitar a toalha ao chão e por isso, vou continuar, na vã ilusão que um dia terei a força necessária para me mexer e acabar com esta terrível letargia. Um dia terei forças para correr 1 hora todos os dia, quer chova, quer faça sol, seja a que horas for, e nesse dia sim, serei verdadeiramente feliz, apenas porque consegui fazer algo a que me propus com tanta convicção!
Até lá.... cá estarei!

1 comentário:

  1. Quando vi o teu comentário e o teu nick (Sweet), pensei, olha mandei um comentário para mim, sou mesmo tona! Mas depois vim aqui ao teu blog e fiquei estupefacta! Além do nick, temos tanta, mas tanta coisa em comum que parecia que me estava a ver ao espelho.

    Assim à primeira vista, a única coisa que temos de diferente é que eu não me mato a trabalhar porque no meu emprego aquela gente não merece. Aprendi à minha custa que uma pessoa deixa de ser prestável para ser burra.

    Espero que não te importes que te siga, porque adorei conhecer-te.

    Beijo

    ResponderEliminar